Artigos

Compartilhe

Tecnologia e Informática

Como transmitir ao vivo o culto da igreja: Um guia prático

Entre as muitas ramificações sobre a disseminação do COVID-19, há uma súbita necessidade das igrejas, em todos os lugares, repensarem seus cultos de domingo, passando de uma reunião física para uma online, por uma temporada.

Mas transmitir ao vivo um sermão ou culto de domingo pode ser um desafio assustador, especialmente para igrejas de pequeno a médio porte que não têm orçamento e equipe para executar essa produção. A seguir, é apresentado um guia prático de como as igrejas pequenas ou médias podem começar a transmitir ao vivo.

Qual plataforma devemos usar?

As duas principais opções para transmissão de vídeo ao vivo são o Facebook e o YouTube, mas existem outras opções. Vale a pena considerar os prós e contras de cada uma.

  • Facebook. O Facebook é uma escolha fácil, porque a maioria das igrejas já investiu tempo e recursos em suas páginas no Facebook. Se você usa o Facebook, poderá alcançar alguns de seus seguidores por meio de uma notificação de que sua igreja está “indo ao ar”. Também vale a pena considerar aspectos negativos do Facebook Live. O Facebook é financiado por produtores de conteúdo que pagam para que seu conteúdo alcance mais pessoas. Por esse motivo, o Facebook não será incentivado a ajudar seu vídeo ao vivo a atingir todo o público. Eles querem que você pague por um público mais amplo. Na prática, descobri que as notificações por vídeo do Facebook Live são recebidas por cerca de um terço dos seguidores da página. Outra consideração é que, embora os vídeos do Facebook Live sejam acessíveis a usuários que não sejam do Facebook, a interface e a facilidade de acesso são limitadas. Se você quisesse, por exemplo, incorporar seu vídeo semanal em seu site, para aqueles que não puderam assistir ao vivo, saiba que não será fácil trabalhar com vídeos do Facebook Live. Apesar desses contratempos, o Facebook Live pode fazer sentido para sua igreja, dependendo da sua presença existente no Facebook e de como você deseja lidar com os vídeos depois que eles estiverem completos. Para um guia de instruções para o Facebook Liveconfira esta página. Uma coisa útil a fazer é executar uma avaliação com a configuração de privacidade em “particular”. Isso permitirá que você teste a interface antes de disponibiliza-la para o público pela primeira vez.
  • Youtube. A maioria das igrejas de pequeno a médio porte tende a não investir muito tempo ou energia no YouTube. Por esse motivo, suspeito que muitas igrejas que fazem vídeos ao vivo pela primeira vez selecionem uma opção diferente. Apesar do desafio de criar um novo canal do YouTube para sua igreja (vinculado a uma conta do Google no YouTube), existem alguns excelentes motivos para considerar essa plataforma. Primeiro, o YouTube financia sua plataforma por meio de anúncios e não por meio de produtores de conteúdo. Isso significa que o YouTube é incentivado a disponibilizar seu vídeo o mais amplamente possível, incentivando você a criar mais conteúdo e alcançar mais espectadores (na esperança de que você seja elegível para anúncios mais cedo ou mais tarde). Assim como o Facebook, os assinantes recebem notificações quando seu canal entra no ar, e eu acho essas notificações mais onipresentes do que os vídeos ao vivo sem estímulo do Facebook. O YouTube reproduz bem em sites, incorporando-se bem a eles após a conclusão do vídeo, e você também pode compartilhar o link do vídeo no Facebook. Uma consideração missional, para o YouTube, é que sua plataforma é o principal local onde a geração do milênio e a Geração Z buscam o consumo de conteúdo. O YouTube fornece acessos muito mais fáceis, para que pessoas que não são da igreja, descubram sua transmissão ao vivo. 
  • Zoom. Dependendo do tipo de formato ao vivo que você deseja buscar, o Zoom é um método confiável para reuniões menores e mais íntimas. Por exemplo, algumas igrejas domésticas na China usam o Zoom para permitir que os pastores continuassem ensinando pequenos grupos enquanto não pudessem se reunir em suas principais instalações. Várias igrejas também usam o Zoom para facilitar estudos bíblicos, reuniões de equipe e discussões dos sermões ao longo da semana. O Zoom é gratuito se suas reuniões tiverem menos de 100 pessoas e menos de 40 minutos. Se você for maior ou mais, precisará pagar. Outras alternativas, como o Skype e o Google Hangouts Meet, são opções viáveis, mas problemas de confiabilidade levaram muitas organizações a adotar o Zoom.
  • Opções de terceiros. Embora exista uma variedade de alternativas ao Facebook e ao YouTube (mesmo algumas construídas especificamente para igrejas), elas parecem menos úteis, por várias razões. Primeiro, os membros de sua igreja já “moram” em determinados espaços online (como Facebook e YouTube). É muito mais fácil fornecer a eles recursos nas plataformas que eles conhecem do que tentar implementar algo novo. Segundo, o Facebook e o YouTube tem boa manutenção e são confiáveis. Eles tendem a se comportar da maneira esperada (quando são bem-sucedidos e quando falham!), enquanto as plataformas “não-padrão” podem enfrentar muitos problemas técnicos inesperados.

Melhores Práticas de transmissão ao vivo para igrejas

Depois de entrar em uma plataforma, é necessário considerar o formato ao qual sua experiência de transmissão ao vivo levará. Aqui estão algumas perguntas comuns e práticas recomendadas a serem consideradas.

Devemos tentar transmitir o culto completo, ou apenas a pregação/ensino?

Se você está fazendo mais do que cantar músicas escritas de antes da década de 1920, provavelmente está executando um conteúdo protegido por direitos autorais. Existem maneiras complexas de lidar com isso, mas, por motivos de simplicidade e por razões legais, recomendo que você omita a parte musical do seu culto na transmissão ao vivo. Se houver anúncios que você gostaria de dar ou problemas específicos que deseja resolver, lembre-se de que você está alcançando um público mundial. Você também precisa garantir que sua câmera seja posicionada de forma a não capturar menores, vítimas de abuso etc, para sua segurança e para seus próprios fins legais.

Devemos transmitir o monólogo da pregação ou tentar algo diferente?

O melhor uso de um vídeo ao vivo não é uma câmera no fundo da sala, capturando conteúdo, mas um vídeo em que o palestrante interage com os comentários ao vivo, durante o vídeo ou depois, via comentários ou pessoalmente. As igrejas que tentam transmitir para uma congregação que é totalmente remota podem se sentir mais confortáveis ??em manter o modelo tradicional de pregação. Mas vale a pena considerar incentivar os espectadores a comentar com perguntas ou comentários que possam ser respondidos após o sermão. Alguém que esteja manejando a câmera pode monitorar os comentários em um dispositivo separado e prepará-los para o período de discussão pós-sermão.

Como alternativa, algumas igrejas podem optar por usar a transmissão ao vivo de maneira mais estratégica, em um formato de diálogo ou misto, interrompendo o ensino com seções de perguntas e respostas designadas (“Comente, e discutiremos suas perguntas em 10 minutos”) ou participando de uma interação contínua da audiência ao longo do vídeo (“Obrigado por sua pergunta, (nome), vamos responder a isso…”). O Zoom ou outras mídias de vídeo mais diretas podem ser mais propícias a um ambiente de diálogo, se você não se importar de limitar o público.

Como devemos posicionar a câmera, interagir com ela ou preparar o cenário?

O posicionamento da câmera ao vivo sempre fica melhor quando o ângulo está no nível dos olhos de quem está falando. Em um cenário ideal somente ao vivo, o palestrante ou pregador está falando diretamente com a câmera, fazendo contato visual com os visualizadores do vídeo. Os ângulos abaixo do palestrante tendem a ser pouco agradáveis. A iluminação simples na forma de lâmpadas, anel de luzes ou um kit de iluminação básico podem ajudar bastante a aprimorar seu vídeo, dependendo de como você lida com a câmera.

Que tecnologia devemos usar?

Se você está começando do zero, no que se trata de tecnologia de gravação de vídeo, aqui estão algumas opções a serem consideradas, em níveis, de acordo com seu orçamento e as habilidades técnicas de sua equipe.

O nível 1 consiste em gravar vídeos ao vivo via celular. A vantagem aqui está em sua portabilidade e custo. É essencialmente gratuito (você pode adicionar o custo de um suporte de R$ 20 para o smartphone e um microfone de R$ 100 para melhorar a qualidade) e propiciar uma ótima experiência informal, que se presta bem a plataformas de vídeo ao vivo, proporcionando uma experiência pessoal e “por trás das cenas” para seguidores que poderiam ser perdidos à medida que a qualidade da produção aumenta.

O nível 2 já exige a gravação de vídeo, ao vivo, através de uma câmera dedicada. O equipamento principal neste nicho é a câmera Mevo. Que gira em torno de US $ 500 a US $ 1.000, a Mevo fornece uma ótima solução para vídeos ao vivo. A qualidade da produção da Mevo é significativamente mais alta que a do telefone celular, retém parte da informalidade da plataforma e fornece uma solução barata de vídeo ao vivo de um ponto fixo. A partir do nível 2, você poderá transmitir para o Facebook e também para o YouTube ao mesmo tempo.

O nível 3 é uma solução mista que oferece mais controle do que a Mevo, mas não exige um orçamento substancial de mídia. Um dos melhores exemplos aqui é o Boxcast. Por US $ 100 por mês, você obtém o hardware e o software necessários para transmitir seu serviço na Web. Você também precisará investir em câmeras capazes de capturar em HD (na faixa de US $ 500 a 1.000 por câmera), além de um microfone e amplificação de alta qualidade (talvez o que sua igreja já use funcione). Outras soluções de software baseadas em computador (como Restream ou OBS) podem alcançar alguns dos resultados do Boxcast com um pouco de experiência e conhecimento técnico.

O nível 4 envolve a captura de vídeo HD que é processada e transmitida ao vivo por várias câmeras. Esse nível geralmente só é acessível para igrejas com orçamentos de sete dígitos ou equipes substanciais de mídia. A qualidade da produção é extremamente alta, mas também é importante observar o princípio da Navalha de Occam: quanto mais câmeras, equipamentos de áudio, computadores, software de transmissão etc, estiverem envolvidos, maior a probabilidade de que algo dê errado de forma desastrosa. Uma organização só deve tentar a produção ao vivo de nível 4 quando uma equipe experiente estiver no comando.

A decisão entre esses níveis envolve três fatores:

Orçamento: o nível 1 custará entre US $ 0 e US $ 50. O nível 2 está entre US $ 500 e US $ 1.000. O nível 3 é um investimento de US $ 1.200 por ano com custos iniciais em torno de US $ 1.000. O nível 4 poderia facilmente começar em torno de US $ 10.000.

Equipe: converse com seus diáconos, pastores ou equipe de A/V para determinar com o que eles se sentem confortáveis ou usam com mais frequência. Ao mesmo tempo, tenha cuidado ao comprometer-se com métodos obscuros ou complexos de hardware, software ou streaming, que não funcionem, a menos que um único membro da equipe tenha habilidade para executá-los.

Visão: Embora sua igreja possa estar assumindo um compromisso temporário com a transmissão ao vivo, o planejamento inteligente de como vocês investem durante esta temporada pode colher dividendos para o seu ministério no futuro. Portanto, certifique-se de que as compras que vocês fizerem ou os métodos que experimentarem, atendam bem a longo prazo. Pense no uso futuro de sua tecnologia, caso decida interromper a transmissão ao vivo de seus cultos. Isso pode incluir vídeos de atualização no meio da semana, anúncios pré-gravados, batismo ou outros testemunhos, séries especiais de ensino não dominical, vídeos de perguntas e respostas ou vídeos de ensino em outros idiomas. Talvez considere fazer uma série diária especial de vídeos para a Semana Santa ou durante o Advento.

Devagar e Crescendo

Quando se trata de transmissão ao vivo, comece devagar e cresça com o tempo. Não se frustre se sua primeira tentativa parecer um desastre, mas não deixe de pesquisar, analisar comentários, examinar experiências e fazer da sua próxima tentativa um sucesso. Peça a outros pastores na sua área ou na sua rede que forneçam informações sobre as melhores práticas. Considere fazer uma chamada no Zoom com os líderes de A/V de cada igreja.

Por meio dessa colaboração, você pode encontrar maneiras de melhorar seus esforços, ajudando também outras igrejas a crescer em suas capacidades.

Por: Phil Thompson. © The Gospel Coalition. Website: thegospelcoalition.org. Traduzido com permissão. Fonte: How to Livestream Your Church Service: A Practical Guide.

Publicado Originalmente: Como transmitir ao vivo o culto da igreja: Um guia prático. © Ministério Fiel. Website: MinisterioFiel.com.br. Todos os direitos reservados. Tradução: Paulo Reiss Junior. Revisão: Filipe Castelo Branco.

Leia Também
Posts para Igrejas
Boas ideias podem vir do caos
Tecnologia para apoiar a expansão do evangelho