Artigos

Compartilhe

Reflexão

Mulher: é preciso continuar avançando

Já não é de hoje que a mulher tem se destacado pela sua atuação e desempenho de tarefas dentro de várias esferas da sociedade. Contudo, isso nem sempre foi assim...

Há aproximadamente cem anos a opção primordial que a mulher tinha era que desse continuidade à profissão que o pai havia lhe designado: mãe, professora, freira ou prostituta. A forma como se abordava a participação que ela exercia no ciclo de vida era monopolizada pelas resistências sociais de uma sociedade exploradora, que não concebia a idéia de quebrar estereótipos para que houvesse crescimento e aprimoramento das funções. Contudo, mesmo diante de um quadro desanimador, vemos a mulher indo à luta para conquistar espaço, perdendo em alguns aspectos, mas ganhando em demasia outras funções que até então não exercia no campo sócio-político.A mulher não pode desistir dos seus ideais, mas deverá ir de encontro aos anseios pessoais nos mais diferentes segmentos que está inserida, sabendo que precisa trabalhar algumas questões:

1. Empreender um planejamento da carreira profissional ou ministerial, ou seja, exercitar a tarefa de direcionar os passos que deverão ser dados para que possa encontrar os meios que levarão ao desenvolvimento pessoal e as metas que deseja alcançar. Não se constrói um programa de vida da noite para o dia, mas procura-se adequá-lo aos objetivos que se pretendem conquistar e só então entrar em ação. Tem que haver investimento na performance para que o desenvolvimento dos dons e talentos venham a florescer. Para isso é necessário ter uma atitude que motive a agir em prol das capacidades próprias, não desperdiçando as oportunidades que surgem no caminho.

2. Buscar o envolvimento familiar para que haja conciliação entre as tarefas exercidas.Sendo dotada por Deus de uma porção substancial de capacidade para empreender várias coisas ao mesmo tempo, ela busca o elo que integra todas as partes, nos mais diferentes ambientes que atua. É importante descobrir que a mulher é sinônimo de polivalência e deve ser respeitada como tal, permitindo que na sinergia que possui com as pessoas, venha interagir no sentido positivo para a elaboração de novos projetos que a dignifique.

3. Equilibrar a vida pública e a privada no sentido de enfrentar, sem sentimentos de culpa, as responsabilidades que lhe são impostas pela demanda do aperfeiçoamento da sua carreira profissional ou ministerial, sabendo que o mais importante é viver com qualidade, buscando no amor o compromisso de estar bem consigo mesma e com os seus.

4. Clarificar sempre os valores que norteiam a sua vida, pois são eles que orientam nas dificuldades e caos enfrentados. As prioridades deverão ser estabelecidas, firmadas naquilo que motiva e pulsa dentro do ser. Somente quando se possui valores que determinam aquilo pelo qual almejamos nossas realizações é que iremos reconhecer que a conquista não se dá apenas no campo profissional ou ministerial, mas são reflexos de uma vida que possui sentido e significado autênticos.

"A contribuição da mulher deve se dar no sentido de criar condições para que os próprios homens também se permitam encontrar, no universo feminino, a revisão de seu próprio papel na sociedade, na família, com os filhos, no trabalho e no relacionamento com suas parcerias (Deloitte Touche Tohmatsu)". Sei que esse desafio é muito difícil de ser compreendido, mas aos poucos vai se entendendo que não se está travando uma guerra de sexos, onde irá vencer o que tiver mais condições, já que capacidade não pertence a um gênero, mas na participação que a mulher poderá exercer ao unir suas forças para que todos possam ganhar no todo. Se conseguir vencer o dilema entre os valores modernos e os tradicionais, a mulher passará a atuar com competência e inteligência, achando um lugar confortável junto à sociedade, fazendo com que a sua influência não gere nos homens "reservas" com relação ao que faz, mas traga harmonia para a diferença de gênero.

Que nessa semana que é dedicada a mulher, possa haver reflexões sérias sobre a caminhada feminina, repensando o espaço conquistado dentro da mídia, no campo dos esportes, nas grandes empresas, na docência, nas artes e na vida eclesiástica, sabendo que ainda tem muita estrada para percorrer. Prossigamos nesse embate!!!

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com