Artigos

Compartilhe

Reflexão

O modelo de liderança cristã

Marcos 10.32-45

Num de seus livros, Stanley Jones faz referência à conversa de dois pastores sobre a plenitude do Espírito Santo. O primeiro, bem conservador, expressava a sua preocupação quanto aos exageros emocionais por ele presenciados em reuniões pentecostais; o segundo, desejoso de experiências mais profundas com o Espírito, disse para ele não ter receio, pois, só Jesus tem, de fato, a plenitude, uma vez que o Pai não lhe dá o Espírito por medida. E concluiu: o máximo que uma pessoa cheia do Espírito pode alcançar é ser como Jesus. Jesus é o modelo não apenas de uma pessoa cheia do Espírito, mas também ele é o modelo de liderança. Os líderes cristãos vivem e agem no Espírito de Cristo. O máximo que um líder cristão pode alcançar é ser igual a Jesus! Este é um desafio permanente para o líder!

Os servos do Senhor, que exercem funções de liderança na igreja, são chamados pelo Espírito Santo, confirmados e enviados pela igreja e usados por Deus no poder do Espírito! A Igreja confirma o chamado pela eleição e imposição de mãos. Por isso, o conhecimento da natureza da liderança cristã, segundo o modelo que temos em Jesus, é importante para nos ajudar como Igreja na escolha e comissionamento dos oficiais.

Todos nós somos servos, podendo ser chamados para exercer funções no Corpo Cristo. Num certo sentido, todos nós também somos líderes, pois, lideramos e somos liderados em casa, no trabalho, na igreja, na sociedade, no lazer etc. Assim, as lições sobre liderança cristã, aplicam-se, portanto, a todos nós!

No texto de referência, Jesus está pacientemente treinando os seus discípulos para a missão que deviam cumprir. Observemos os contrastes entre o modelo de liderança de Jesus e as expectativas dos discípulos quanto à função que teriam como líderes. Jesus também nos ensina com amor e paciência!

Jesus lidera com coragem; seus discípulos o seguem admirados e medrosos

Jesus ia adiante dos discípulos (Mc 10.32). O líder vai sempre na frente dos seus liderados. Sabe aonde quer chegar e aglutina pessoas para que o acompanhem! É assim que o Pastor conduz as ovelhas (João 10.2-4).

Jesus caminhava resolutamente para Jerusalém, sabendo que sofrimentos indescritíveis o esperavam (Lucas 9.51-53; Marcos 10.33-34). Como os discípulos já tinham sido anteriormente avisados pelo Mestre sobre o que o esperava em Jerusalém, eles o seguiam admirados e cheios de medo, de apreensões! 
Essa atitude dos discípulos contrasta com a do Mestre. O verdadeiro líder é aquele que não recua diante das dificuldades e do alto preço que tem de pagar para cumprir completamente a sua missão! Ele não é um herói por acaso! 
Júlio César, para conquistar a Grã-Bretanha, fez os soldados atravessar o Canal da Mancha, destruiu todos os barcos e deu este comando: "Vencer ou morrer"! Precisamos de líderes corajosos como Jesus, que não desistem até a vitória completa sobre as hostes espirituais da maldade para a libertação de vidas para o Reino de Deus!

Jesus segue o caminho da cruz; os discípulos ambicionam a glória

Para Jesus, o caminho da glória passa pela cruz. Os discípulos queriam a glória sem a cruz. O pedido de posições honrosas no Reino de Cristo foi feito por dois apóstolos depois de Jesus ter falado aos doze sobre a cruz (Marcos 10.32, 35-37)! No Evangelho de Mateus, o pedido foi feito através da mãe (Mateus 20.20-21). Toda a família estava envolvida. O diabo tentou desviar Jesus do caminho da cruz, oferecendo-lhe a glória e o poder dos reinos deste mundo (Mateus 4.8-10). Ele continua tentando hoje os discípulos de Jesus. Como Jesus venceu, podemos ser vitoriosos nele!

Somos exortados a ter a mesma atitude de Cristo que foi obediente até ao sacrifício para que fosse glorificado pelo Pai. A carne (natureza humana pecaminosa) não serve a Deus; precisa ser crucificada. Quando morremos para a carne, para o mundo, a vida de Jesus se manifesta em nós.

Precisamos de líderes que estejam mortos para a carne, para o mundo, para as ambições terrenas para que possam conduzir o povo de Deus para uma genuína espiritualidade!

Jesus exerce autoridade para servir; os discípulos ambicionam poder para dominar

Houve uma crise no colégio apostólico por questão de poder! (Marcos 10.41). Manifestou-se outra vez a tendência de discutir quem dentre eles era o maior. Teria acontecido uma divisão no Colégio Apostólico, não fosse a intervenção rápida de Jesus.

A grandeza, o espírito nobreza, se manifesta na disposição de servir. O maior é quem serve. Jesus ensina pelo exemplo (Marcos 10.45). Este ensino tem uma grande sabedoria e pode ser aplicado em todas as áreas da vida. A verdadeira prosperidade vem pelo serviço humilde, honesto, digno e persistente!

A liderança cristã, segundo o modelo de Jesus, adota o princípio dos quatro “S”. Submissão ao Superior e Serviço ao Subordinado. Este é o modelo de Jesus. 
Apesar das atitudes mesquinhas e inadequadas dos discípulos, Jesus foi tolerante e compassivo com as suas fraquezas, mas firme quanto aos princípios do Reino de Deus. Apesar de tudo, eles seguiam a Jesus e criam na vitória do Mestre! Precisavam, porém, aprender a natureza da vida e da missão cristãs.

Essa paciência e compaixão de Jesus nos enchem de esperança. Deixemo-nos moldar pelo divino Mestre para que sejamos preparados para a sua obra. Por certo, o Senhor tem trabalhado na vida de servos, da Igreja, preparando-os para o exercício de funções de liderança. Que o Senhor ilumine a Igreja para que possa fazer escolhas acertadas!

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com