Artigos

Compartilhe

Reflexão

Preciso conversar com Habacuque


URGENTE! PRECISO CONVERSAR COM HABACUQUE E NÃO O ENCONTRO

Estamos vivendo dias de profecia e não me havia dado conta disso. Mas, com tantos outdoors espalhados por todos os lugares, por que não percebi que está ocorrendo uma profecia na forma de visão? Não estou louco, pois lembrei-me que JAVÉ, o SENHOR da História, em uma época de grande apreensão para o Reino de Judá pelo sofrimento que seria impingido a seu povo, havia mandado o profeta Habacuque escrever a visão, gravada em tábuas, “que a possa ler até quem passa correndo”1 . Pelo que sei, esse foi o primeiro outdoor da História, relatado na Bíblia, tal como se faz ainda hoje com painéis de madeira, montados em locais de boa visibilidade, para que as pessoas, ainda que passem correndo em seus veículos, possam ler a propaganda veiculada no painel. É certo que tive dificuldade para entender que também hoje há uma visão que “ainda está para cumprir-se no tempo determinado, que se apressa para o fim e não falhará” 2 . Minha dificuldade foi entender que os outdoors de hoje, além daqueles painéis clássicos de madeira, montados em locais de boa visibilidade, estão escritos também em outros materiais, normalmente chamados de “meios de comunicação”, tais como jornais, revistas, televisão, e-mails, WhatsApps etc.

Devo confessar que fiquei de certa forma aborrecido pelo fato de que Habacuque não informou em seu Livro na Bíblia que haveria uma atualização dos meios de comunicação que ampliariam a mensagem de DEUS. Essa falta de informação dificultou meu entendimento de que havia uma visão escrita nos outdoors atuais, chamados “meios de comunicação”. Por isso, eu gostaria de encontrar Habacuque e conversar com ele sobre a visão que DEUS mandou que fosse escrita para nós, hoje, pois estamos sempre correndo e, muitas vezes, nem percebemos que há uma mensagem divina nos outdoors atuais. E compreender isso é urgente porque o tempo determinado “se apressa para o fim e não falhará”. Talvez você não tenha entendido a que ponto pretendo chegar; ou esteja procurando se lembrar do que está sendo publicado nos meios de comunicação que possa ser interpretado como uma visão ordenada por DEUS. Não! Se você pensou que me refiro à pandemia da Covid-19, está enganado.

Ainda que as notícias sobre a pandemia estejam sendo divulgadas ad nauseam, a visão escrita nos meios de comunicação é outra; por isso, não estou querendo falar de pandemia, mas, da mensagem de Deus para nós. E penso que Habacuque facilitará meu entendimento. Como não consigo encontrá-lo para conversar sobre a visão escrita, ordenada por DEUS, vou tomar emprestado o que ficou registrado no seu Livro (espero que o autor entenda que eu gostaria de falar com ele pessoalmente, para que ele me descrevesse com clareza a visão nos outdoors atuais, como fez para o Reino de Judá). Para facilitar o início da conversa, devo dizer que a doença do coronavírus que causou a pandemia da Covid-19 é, mutatis mutandis, o exército dos caldeus, comandado pelo rei da Babilônia. Pois bem, conhecemos essa história dos caldeus. Exército terrível, posto como sentença de DEUS diante da iniquidade do Reino de Judá, descrita por Habacuque em seu Livro (tradução ARA), capítulo 1, versículos 6 a 11: “ 6Pois eis que suscito os caldeus, nação amarga e impetuosa, que marcham pela largura da terra, para apoderar-se de moradas que não são suas. 7Elessão pavorosos e terríveis, e criam eles mesmos o seu direito e a sua dignidade. 8Os seus cavalos são mais ligeiros do que os leopardos, mais ferozes do que os lobos ao anoitecer são os seus cavaleiros que se espalham por toda a parte; sim, 1 Hc 2:2: Então o Senhor me respondeu e disse: Escreve a visão, grava-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. 2 Hc 2:3: Porque a visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado, mas se apressa para o fim e não falhará; se tardar, espera-o, porque, certamente, virá, não tardará. os seus cavaleiros chegam de longe, voam como águia que se precipita a devorar. 9Eles todos vêm para fazer violência; o seu rosto suspira por seguir avante; eles reúnem os cativos como areia. 10Eles escarnecem dos reis; os príncipes são objeto do seu riso; riem-se de todas as fortalezas, porque, amontoando terra, as tomam. 11Então, passam como passa o vento e seguem; fazem-se culpados estes cujo poder é o seu deus”. Utilizando de paráfrase, posso dizer que o mesmo relato de Habacuque sobre a violência dos caldeus demonstra, também, a calamidade da pandemia dos dias atuais, cujos vírus “ 6marcham pela largura da terra, para apoderar-se de moradas que não são suas. 7 São pavorosos e terríveis. 8 Se espalham por toda a parte; chegam de longe, voam como águia que se precipita a devorar. 9Vêm para fazer violência; reúnem os cativos como areia. 10Escarnecem dos reis; os príncipes são objeto do seu riso; riem-se de todas as fortalezas, porque, amontoando terra, as tomam. 11Então, passam como passa o vento e seguem”.

Mas, qual é a visão que DEUS ordenou a Habacuque que escrevesse? Vamos descobrir, ad referendum do próprio profeta. Penso até que, quando ele escreveu seu Livro por volta do ano 605 a. C., como oráculo, descreveu com algumas metáforas a sentença de DEUS como castigo pela iniquidade do Reino de Judá, que sofreria a destruição e a violência que seriam impostas a todo o povo judeu; mas, ao aplicar esse mesmo castigo através da pandemia de nossos dias, não vejo nenhuma metáfora, mas, uma linguagem direta que não necessita de interpretação. Por certo, o objetivo de DEUS não era amedrontar o Reino de Judá, ameaçando-o com o castigo através da violência dos caldeus em sua iminente invasão destruidora e mortal; a violência era apenas o contexto dos fatos, e diz respeito à resposta divina às queixas do profeta, que não se conformava com a aparente indiferença de DEUS diante dos pecados do povo3 . A resposta à pergunta sobre a visão que deveria ser escrita, ordenada por DEUS a Habacuque, pode ser percebida já na perplexidade do profeta ou, eu diria até, na ansiedade dele sobre a integridade física e a vida do povo judeu4 , diante do castigo a ser impingido de modo intenso e brutal, muito embora aceitando que os caldeus foram postos “para servir de disciplina” pelas iniquidades do povo escolhido por DEUS. Mas, paro por aqui.

Pretendo obter de Habacuque a resposta sobre a visão que DEUS ordenou a nós, hoje, diante do sofrimento imenso, causado pela pandemia. Em primeiro lugar, devemos entender que Habacuque, como oráculo de DEUS, anunciou ao povo judeu uma mensagem pesada (uma sentença de DEUS), que seria o castigo divino executado pelos caldeus. Mas, Habacuque intercedeu pelo povo e aguardou uma resposta de Deus; essa resposta veio na ordem de escrever a visão, que foi relatada no capítulo 2, versículo 4: “Eis o soberbo! A sua alma não é reta nele; mas o justo pela sua fé viverá”. Essa foi a mensagem de Deus ao povo do Reino de Judá. Essa mensagem de Deus, ou essa visão anunciada pelo profeta, contém duas ideias opostas, separadas pela conjunção “mas”: de um lado, o soberbo, cuja alma não é reta, opondo-se ao justo (ou reto diante de DEUS) que vive pela fé. Certamente Habacuque enfatizou em seu outdoor essa frase, que era a essência da mensagem divina: “mas o justo pela sua fé viverá”. Tenho, portanto, duas questões a apresentar a Habacuque, se o encontrar. 3 Hc 1:2-3: Até quando, SENHOR, clamarei eu, e tu não me escutarás? Gritar-te-ei: Violência! E não salvarás? Por que me mostras a iniquidade e me fazes ver a opressão? Pois a destruição e a violência estão diante de mim; há contendas, e o litígio se suscita. 4 Hc 1:12: Não és tu desde a eternidade, ó SENHOR, meu Deus, ó meu Santo? Não morreremos. Ó SENHOR, para juízo, puseste aquele povo; tu, ó Rocha, o fundaste para servir de disciplina.

A primeira questão é a seguinte: quando o povo do Reino de Judá tomou conhecimento da iminente invasão do exército caldeu, e as pessoas, apressadas, começaram a correr de um lado para outro para se protegerem, qual foi o comportamento dos “justos”? Penso que, possivelmente, eles se reuniram para louvar e agradecer a DEUS pela vida, na certeza de que, ainda que a morte física os levasse, na eternidade estariam na presença de DEUS. Foi assim que o profeta Habacuque entendeu a visão ordenada por DEUS? Eu gostaria que ele me confirmasse essa afirmação de que o justo pela fé viverá; mas, na possibilidade de não o encontrar, já pedi ajuda ao apóstolo Paulo na Carta aos Romanos, capítulo 3, versículos 21 a 31, que me deu uma resposta mais ampla e plenamente satisfatória5 .

A segunda questão diz respeito a nós, hoje, que estamos vivendo o sofrimento da pandemia provocada pela doença chamada Covid-19, que já deixou no mundo, até o final do mês de julho mais de dezessete milhões de pessoas contaminadas e mais de seiscentos mil mortos. No Brasil já são mais de dois milhões e seiscentos mil contaminados e mais de noventa e um mil mortos (esses números são da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos). Quando vejo todos os meios de comunicação noticiarem exaustivamente a mortandade da Covid-19, realmente calamitosa, não consigo dissociar esse sofrimento e morte do “mas” da visão do profeta Habacuque: “mas o justo pela sua fé viverá”. Por isso, preciso, urgentemente, encontrar o profeta Habacuque e pedir a ele que ore pelo nosso povo, assim como fez em favor do Reino de Judá. No começo do Livro, vejo um Habacuque lamurioso, interpelando Deus; mas, ao fim, vejo um profeta alegre e regozijante, capaz de compreender que a salvação vem de DEUS, em qualquer circunstância, porque Ele é soberano e tranquiliza todos os nossos temores. E espero que, em sua oração na forma de canto, o profeta faça em nosso favor a seguinte profissão de fé, registrada em seu Livro, no capítulo 3, do qual destaco os versículos 17 a 19: 17Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas sejam arrebatadas do aprisco, e nos currais não haja gado, 18 todavia, eu me alegro no SENHOR, exulto no Deus da minha salvação. 19O SENHOR DEUS é a minha fortaleza, e faz os meus pés como os da corça, e me faz andar altaneiramente.

E você, meu amigo, CRÊ que nesta pandemia o justo pela sua fé viverá, seja qual for a circunstância, sofrimento e morte? Que o SENHOR DEUS, soberano, seja a nossa fortaleza. Jefferson c. Assis Ld., 01/08/2020 ./ 5 Rm 3:21-31: 21Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de Deus testemunhada pela lei e pelos profetas; 22justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos [e sobre todos]os que creem; porque não há distinção, 23pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, 24sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, 25a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; 26tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus. 27Onde, pois, a jactância? Foi de todo excluída. Por que lei? Das obras? Não; pelo contrário, pela lei da fé. 28Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei. 29É, porventura, Deus somente dos judeus? Não o é também dos gentios? Sim, também dos gentios, 30visto que Deus é um só, o qual justificará, por fé, o circunciso e, mediante a fé, o incircunciso. 31Anulamos, pois, a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

Leia também